terça-feira, agosto 25

A miopia do amor

Quando eu era moleque, eu sofria de hipermetropia, o que me fez usar óculos durante a infância, mas ao entrar na adolescência eles não foram mais necessários.

A maioria das crianças apresentam isso. Pois nessa fase da vida, nossos olhos normalmente são menores do que deveriam ser. Aos poucos o grau do hipermétrope diminui com o crescimento do olho, por isso é comum pessoas usarem óculos durante a infância e o deixarem na idade adulta.

A pessoa que sofre de hipermetropia tem dificuldade de enxergar de perto. O olho é pequeno e a imagem se forma depois da retina.

O contrário da hipermetropia é a miopia, nela a dificuldade estar em enxergar de longe. O olho do míope é longo e a imagem se forma antes da retina.

È interessante notar que o amor de Deus nos ensina a viver de forma míope no que diz respeito aos relacionamentos.

O amor não é cego, ele não aliena ninguém, antes nos dá uma constatação apurada dos fatos, fazendo com que enxerguemos o real cenário em que estamos inseridos. Eu diria que ele, o amor, por amor se faz de míope.

Ou seja, quando olhamos a vida com as lentes do amor, passamos a ver menos os defeitos do próximo, isso não é sinônimo de conivência, mas sim de convivência. Não é a toa que uma das principais características de um míope é que ele consegue ver objetos próximos com nitidez. Assim também o amor nos ensina a viver próximos um dos outros, sabendo gerenciar as diferenças e a não transforma qualquer copo de água em tempestade. Isso graças à sua incapacidade de dimensionar as coisas.

Mas quando não há essa visão na vida, as lentes com as quais se olha são as da hipermetropia: onde os mais insignificantes motivos são suficientes para gerar problemas. Abrindo um pouco o leque para a relação entre cônjuges, qualquer coisa se torna motivo para brigas, os pequenos motivos tornam-se grandes razões; é o temperamento incompatível, o jeito de cozinhar, as preferências individuais, a feiúra, os quilos a mais, o mau hálito.

Infelizmente muitos crescem sem abandonar a hipermetropia. O Hipermétrope geralmente tem boa visão ao longe. E quando somos crianças temos muito disso, fantasiamos as coisas, tudo é lindo! Tal visão é aplicável quando acaba o dia e cada um vai para a sua casa, mas em uma relação entre quatro paredes à coisa embasa, é necessário trocar a lente e se fazer de míope.

Somente o amor tem a capacidade de sintetizar os extremos e de encobrir sem tapear os defeitos do próximo. Para isso, basta nos fazermos de míopes.

5 comentários:

Fernanda disse...

Fantástico...
Só o amor de Deus é capaz de nos fazer olhar para o próximo como se tivéssemos olhando para nós mesmos, e de nos tornármos um só corpo onde um membro depende do outro, seja qual for a distância entre eles.

Parabéns.
Fernanda

Leandro disse...

hahah que legal vc relacionando o amor com miopia, pq eu escrevi ha pouco tempo sobre algo parecido.. em alguns pontos bem diferentes, mas enfim, vc vai entender. é uma série sobre o amor, ta no pray_something... dá uma lida:
http://www.fotolog.com.br/pray_something/59891580

paz brother! abraço!

Lenara disse...

UPS, o ultimo comentario, foi como leandro (meu pc ta logado no do meu irmao) mas sou eu LENARA, sorry :)

**Nay Fortunato** disse...

Olá Bruno

Gostei muito dessa postagem..a miopia do amor... só Deus nos permiti observar as coisas com carinho devido.
Que Deus continue te abençoando mais e mais


Nay Fortunato

thais_rivibri disse...

Amei as tuas postagens e esta é uma das q mais chamaram a minha atenção.
Parabéns!
As tuas palavras tem trazido conforto, encorajamento, força e reflexão a quem teve a oportunidade de lê-las.
Continue na busca do conhecimento da palavra de Deus, pq o resultado é esse:
Um homem sábio e cada dia + usado por Deus.
Q o Senhor te abençõe hj e sempre!